in

O que é bug?

O que é bug e por que essa palavrinha causa tanto medo no time de operações e desenvolvimento? Bugs são falhas no uso de softwares, hardwares e sites que podem causar desde simples transtornos até grandes prejuízos. Mas qual é a história desse termo e, principalmente, como evitá-lo? Leia este post e saiba mais.

O Dicionário Tech da Coodesh escolheu trazer o termo, que é um jargão característico na informática, para tirar as dúvidas de muitas pessoas que não são da área, mas querem aprender sempre mais para não passarem vergonha quando conversarem com uma pessoa da área de tecnologia.

Sendo assim, vamos entender o que é bug e como o termo nasceu.

Qual a origem da palavra bug?

A palavra tem origem inglesa e quer dizer inseto. Aliás, a explicação mais recorrente para o termo bug está ligada à programadora Grace Hopper (1906-1992), que é uma das mulheres pioneiras no desenvimento de sistemas.

Em 1947, Grace trabalhava no computador Mark II, que pertencia à Universidade de Harvard. A Marinha dos Estados Unidos o operava. Por um acaso, ela descobriu que um inseto preso aos fios provocou uma pane.

Não é à toa que o dia 9 de setembro virou o Dia do Bug. Isso porque foi neste dia que Grace encontrou a falha.  

Há também a teoria de que o termo bug nasceu ainda antes, com Thomas Edison (1847-1931). Ele teria usado o termo para descrever uma falha mecânica que ocorreu em um fonógrafo após constatar a presença de um inseto.  

Quais foi o bug mais famoso da história?

Desde então, alguns bugs ficaram mais famosos na história. É certo que alguns causaram mais medo do que prejuízo, mas na maioria dos casos eles deixaram algum tipo de consequência.

O Bug do Milênio foi o bug mais famoso dos tempos. As equipes de tecnologia viram a virada de 1999 para 2000 com muito pavor. Isso porque desde 1960 se usavam dois dígitos para identificar os anos. Sendo assim, temia-se que depois de 99, os computadores iriam para 1900 ou 19100 e não 2000.

Isso causaria um grande transtorno no sistema financeiro, que corria o risco de ter aplicações financeiras com juros negativos, o que representava prejuízo aos investidores.

Contudo, o Bug do Milênio se resumiu a falhas em terminas de ônibus na Austrália e erros nos equipamentos de medição de radiação no Japão, entre outros problemas “inofensivos”.

Mais recentemente, um bug também ficou conhecido. Ele ocorreu no ano de 2009, quando um programador adicionou uma barra invertida nas URLs que eram direcionadas ao buscador da empresa.

Dessa forma, todos os sites listados no Google foram tidos como inseguros e notificavam os usuários que um endereço poderia contaminar o computador com um malware.

Quais os riscos e como evitar?

O principal risco de um bug é causar travamentos e o possível roubo de informações sigilosas. Isso porque as falhas são uma porta de entrada para ataques cibernéticos.

Sendo assim, as equipes de tecnologia trabalham focadas em versões Beta e muitos testes. Só para complementar, a versão Beta é disponibilizada internamente para um pequeno grupo de usuários que podem reportar bugs e dar outros feedbacks.

Assim, na maioria dos casos, as falhas podem ser causadas no próprio código-fonte, o que exige mais atenção e monitoramento da equipe.

Para concluir, o que é bug é um tema recorrente nos estudos de qualquer disciplina da área de desenvolvimento de softwares. Nesse sentido, ir mais a fundo na linguagem trabalhada e procurar novas referências de estudo são boas recomendações para quem está neste meio.

E se você está buscando mais conhecimento e dicas para melhorar seu currículo como Dev, aproveite para conhecer um pouco mais da Coodesh. Somos uma startup remota de recrutamento tech. Confira nossas vagas aqui.

E aproveite para ler mais conteúdos sobre termos usados no mundo do desenvolvimento.

Escrito por Gizele Silva

Formada em Jornalismo pela UEPG e especialista em Mídia e Política. Experiência de 18 anos em jornalismo diário. Desde 2017, atua com Marketing de Conteúdo. Atualmente, sou produtora de conteúdo da Coodesh.

Papel de um designer UX/UI: confira a rotina deste profissional

Recrutamento e seleção comportamental: por que é importante escolher o melhor perfil?