Veja dicas para recrutar e contratar desenvolvedor Pleno

Contratar desenvolvedor pleno: dicas para acertar no recrutamento

Você está buscando contratar desenvolvedor Pleno? É bom lembrar que este(a) profissional é mais independente e pode assumir projetos sozinho, mas também é mais caro que o Júnior. De modo geral, a empresa só tem a ganhar, pois contará com um(a) DEV mais experiente e com a garantia de aumento na produtividade. 

Na maioria das empresas, o DEV Pleno tem de 5 a 10 anos de experiência. Embora somente a experiência não seja motivo para considerar um(a) developer como Júnior ou Pleno. Portanto, veja mais detalhes neste post. 

O que é considerado um(a) developer Pleno?

O que a empresa espera ao contratar um(a) desenvolver(a) do nível Pleno? Provavelmente, você responderá que é mais agilidade e resultados. 

Isso ocorre porque a produtividade e a qualidade do serviço dependem (também) da experiência do(a) profissional. No entanto, os resultados também estão relacionados às soft skills da pessoa candidata. 

Enfim, muitas pessoas que têm até menos de 5 anos de experiência em carteira ou contrato profissional, conseguem ter uma ótima desenvoltura. Mas, na prática, como comprovar isso na hora do recrutamento tech? 

Uma boa dica é investir na análise comportamental. Por conta disso, recorra a testes comportamentais, como o DISC (que avalia o perfil de forma rápida e precisa), mas sem deixar de lado as habilidades técnicas e a formação acadêmica.

Deu para perceber que a missão é um tanto difícil, não é mesmo? Isso ocorre porque a área de Recursos Humanos não é uma ciência exata e é bastante dinâmica. 

Outro detalhe é que a pessoa candidata pode ter todas as qualificações para a vaga de nível Pleno. Entretanto, não consegue se expressar bem no currículo e na entrevista. Desse modo, é muito importante não fazer pré-julgamentos e perceber quando o(a) candidato(a) pode dar mais do que aparenta. 

Em síntese, contratar desenvolvedor Pleno é olhar diretamente para os anos de experiência da pessoa inscrita no processo seletivo. Mas não é apenas isso.  

O que um desenvolvedor Pleno tem a oferecer?  

Portanto, se você está à frente de um processo seletivo para contratar desenvolvedor Pleno confira algumas características deste(a) profissional que podem ser bastante úteis para a empresa. 

  • independência e autonomia; 
  • domínio das principais tecnologias; 
  • trabalhar em vários projetos simultaneamente; 
  • acompanhar todo o processo, do começo ao fim; 
  • dominar várias metodologias ágeis; 
  • orientar DEVs juniores e estagiários; 
  • deixar os códigos de programação mais eficientes; 
  • realizar testes;
  • conseguir resolver bugs. 

À medida em que o DEV Pleno está mais inteirado com a empresa e com o projeto, ele consegue assumir tarefas mais complexas, pedir menos ajuda do DEV Sênior e ainda ajudar a comandar outras pessoas da equipe. 

Sendo assim, um(a) DEV Pleno consegue resolver mais coisas sozinho, baseado(a) em seu conhecimento e experiência. E quando não sabe a resposta de pronto, ele sabe os macetes para encontrar a solução no Google ou no Stack Overflow. 

Qual é a remuneração de um desenvolvedor Pleno? 

Como você leu até aqui, contratar desenvolvedor Pleno resolve boa parte dos problemas da empresa, concorda? 

O detalhe é que os salários são mais altos. Sendo assim, é importante ter uma previsão orçamentária, organização financeira e vendas recorrentes para garantir o pagamento dos salários desses DEVs. 

Uma sondagem das vagas para DEVs Plenos mostra que o salário pago é, em média, de: 

  • Front-end React Developer Pleno: R$ 4.000 a R$ 7.000 (CLT).
  • Back-end Python Developer Pleno: R$ 3.550 a R$ 7.500 (CLT). 

No caso do developer contratado como PJ, essa média deve ser multiplicada por 1.6 ou 1.8 para se chegar ao valor médio do mercado. A diferença se explica no fato de os contratados via contrato PJ têm menos benefícios trabalhistas que os colegas do regime CLT. 

Como atrair e recrutar desenvolvedores do nível Pleno? 

De modo mais amplo, contratar developers tem sido um desafio por causa do crescimento na procura por DEVs. Enfim, o próprio desenvolvimento tecnológico tem aumentado a demanda desses perfis. Dessa maneira, é preciso criar estratégias para encontrar pessoas desenvolvedoras do nível Pleno. 

Uma delas é divulgar as vagas da empresa em canais de interesse dos(as) developers. Por essa razão, recorra às comunidades de DEVs, ao LinkedIn e às plataformas de recrutamento tech, como a Coodesh, que explicaremos mais à frente. 

A segunda forma é trabalhar o employer branding da sua marca. Dessa maneira, não importa o tamanho da sua organização, a atração de pessoas desenvolvedoras será mais ágil. 

O terceiro ponto é dar informações claras sobre a vaga. Isso porque é importante esclarecer, desde o princípio, os requisitos da vaga, as informações sobre a empresa, a forma de contrato (CLT ou PJ), o formato de trabalho (presencial, remoto ou híbrido) e o salário, se for possível. 

Sobretudo, deve-se deixar claro como está a fase atual da empresa, o que se espera com a contratação do(a) desenvolvedor(a) Pleno e as vantagens de pertencer ao time. Assim, se a empresa estimula a formação de novas habilidades, tem um ambiente colaborativo, entre outros aspectos, vai atrair os talentos tech. 

Conclusão 

Como você viu aqui neste artigo, recrutar e contratar desenvolvedor Pleno é vantajoso para a empresa, pois você terá uma equipe produtiva e que alcançará os resultados esperados. 

Além disso, você poderá mesclar seu time com developers Júnior e Sênior, dependendo da posição da função. Desse modo, para garantir fluidez aos trabalhos e evitar retrabalhos, aposte nos(as) profissionais do nível Pleno. 

E, então, quer começar a contratar desenvolvedores(as) Pleno para a sua empresa ou startup? Clique aqui e conheça nossas soluções. Ou peça mais informações sobre os pacotes da Coodesh aqui

Só para lembrar, a Coodesh é uma startup especializada em recrutamento de desenvolvedores(as), dando mais dinamismo ao processo seletivo e entregando profissionais aptos à escolha das empresas.

O que é Firebase?

Linguagem JavaScript: saiba o que é, como funciona e para que serve