in

Confira 12 erros na contratação de DEVs para serem evitados

erros na contratação de devs

A transformação digital provocou uma corrida das empresas pelas pessoas desenvolvedoras (DEVs). Mas só chega à reta final com sucesso os tech recruiters que sabem conduzir um processo de recrutamento e seleção bem planejado. Por isso, é imprescindível eliminar os erros na contratação de DEVs para encontrar os melhores talentos tech.

Entretanto, como alcançar bons resultados quando o RH não é especialista na contratação de DEVs? Ou, ainda, quando a empresa é do nicho tecnológico, mas falta tempo para se dedicar à escolha de um (a) bom (a) profissional?

Isso porque contratar developers não é como selecionar candidatos (as) de outras áreas da empresa. A “culpa” é das hard skills (habilidades técnicas) que são muito específicas e se atualizam a todo momento.

Por conta disso, você que está a frente de um processo de seleção de novos (as) desenvolvedores (as) precisa pesquisar as tecnologias desejadas para a função e saber apurar essas habilidades nas pessoas candidatas.

Do contrário, quando o (a) hunter contrata um DEV às pressas devido à urgência no preenchimento da vaga, ele (a) corre o risco de perder muito tempo no treinamento desse (a) profissional ou ainda ter que desligá-lo após o período de experiência.

Sendo assim, para conduzir o processo de contratação de developers de maneira tranquila, sem surpresas negativas, conheça neste artigo os 12 principais erros na contratação de DEVs e faça de tudo para evitá-los.

1- Colocar muitas informações na descrição da vaga

O sucesso na contratação de DEVs já começa na forma como você anuncia a vaga de emprego. Nesse sentido, a palavra-chave é objetividade. Sendo assim, se você for contratar um back-end developer, por exemplo, não se esqueça de enumerar as principais habilidades, o nível de experiência e os diferenciais.

Contudo, quando você coloca muitas hard skills e mistura outras áreas acaba confundindo as pessoas candidatas. Além disso, outro erro comum é criar descrições de vaga sem otimização (sem palavras-chave), grandes demais e pedindo tecnologias que a sua empresa nem usará no momento.

Vamos ainda mais além: muitas empresas criam vagas com incoerência de tecnologias, confundindo os (as) interessados (as).

2- Colocar poucas informações na descrição da vaga  

Ao contrário da situação anterior, fazer uma descrição de vaga muito enxuta pode prejudicar o seu processo de seleção. Afinal de contas, o número de interessados pode ser muito grande devido à falta de detalhamento da descrição. Assim, dificulta-se a escolha.

É por isso que o melhor a se fazer é buscar o equilíbrio. Nesse sentido, defina com antecedência as habilidades, experiência e perfil do (a) futuro (a) contratado (a) para, assim, evitar dores de cabeça.

3- Divulgar a oportunidade em lugares inadequados

É muito comum usarmos os meios de maior audiência para divulgar oportunidades para desenvolvedores (as). Não há problema nenhum em divulgar as vagas para DEVs no Facebook, por exemplo.

No entanto, não considere essa (e outras redes) como prioridade. Afinal de contas, é preciso contar com outros caminhos, como comunidades no Slack, grupos de WhatsApp, agências especializadas, entre outros.

4- Destacar os atrativos em vez do projeto em si

É bom destacar os atrativos da organização. Se há flexibilidade de horário, se o trabalho é remoto, se há benefícios (como plano de saúde), é sempre interessante citar esses detalhes na vaga para despertar a atenção do DEV.

No entanto, priorizar os atrativos e falar muito pouco do projeto em si pode afastar possíveis interessados. Afinal, as pessoas desenvolvedoras amam desafios.

5- Avaliar as hard skills apenas superficialmente

pessoas segurando cada letra da palavra Skills
É fundamental analisar as hard e soft skills das pessoas candidatas

Entre os erros na contratação de DEVs está a análise superficial das hard skills para a vaga aberta. Isso ocorre quando o (a) recrutador (a) conhece pouco sobre o universo DEV ou ainda quando a vaga é preenchida às pressas.

Portanto, é fundamental criar testes, ter paciência e analisar o histórico profissional do (a) candidato. Se for preciso, é interessante avisar ao gestor que o processo pode durar algumas semanas.

6- Desconsiderar as soft skills

O sexto erro é muito semelhante ao anterior. Os processos de recrutamento e seleção valorizam as soft skills. Isso porque o (a) candidato (a) pode ter o conhecimento técnico exigido para a vaga, entretanto não apresentar o comportamento alinhado à expectativa da organização.

Portanto, a consequência da falta de análise mais criteriosa das soft skills pode acarretar em problemas a médio e longo prazo, dependendo de onde você irá alocar o (a ) profissional.

Afinal de contas, se você contrata uma pessoa que que tem dificuldades de adaptação, você terá um onboarding (integração) mais lento que o normal.

7- Não fazer testes práticos na seleção

Durante a fase inicial do processo de recrutamento e seleção, é importante conhecer as habilidades da pessoa candidata na prática, comprovando assim as hard skills que são citadas no currículo.

A melhor maneira de chegar a conclusões mais próximas da realidade é fazendo avaliações práticas, as chamadas challenges. Só assim você saberá o momento em que o (a) profissional está vivendo em sua carreira. Ao passo que a pessoa saberá que tipos de desafios irá enfrentar no dia a dia da empresa.

8- Transformar a seleção num processo burocrático e lento

O mercado de desenvolvimento está na contramão dos números do desemprego no Brasil. Enquanto há muitos (as) trabalhadores (as) para pouquíssimas vagas em outras áreas profissionais, entre os DEVs é o contrário.

Nesse sentido, transformar a seleção num processo muito demorado, repleto de etapas e sem prazos definidos de encerramento afasta os talentos tech que, por sua vez, têm mais opções no mercado. Portanto, seja criterioso na escolha da nova pessoa desenvolvedora, mas priorize a objetividade.

9- Descumprir o prometido na vaga

Entre os erros na contratação de DEVs está uma falha cometida após a seleção, mas que interfere no processo como um todo. É não cumprir o prometido na vaga.

Por exemplo, se você anunciou que um dos atrativos da empresa é o pagamento de cursos e, logo após a contratação, informou que esse benefício foi extinto, a pessoa contrata se sentirá enganada e terá uma percepção negativa da sua empresa. Como consequência, isso acarreta novos problemas no futuro próximo.

10- Não dar a devida atenção ao fit cultural

A pessoa interessada pode não estar alinhada ao fit cultural da empresa

Se uma vaga a ser preenchida precisa de alguém comunicativo e você contrata uma pessoa introvertida, a chance de a pessoa não permanecer na vaga é alta. Além disso, é muito importante que o (a) novo (a) contratado (a) esteja alinhado à polítiva de diversidade da empresa, ao espírito colaborativo e à disposição esperados.

11- Ter expectativa alta demais

É um erro anunciar uma vaga na área de desenvolvimento e esperar por um (a) profissional acima da média em todos os quesitos, tanto em hard skills quanto em soft skills. Por isso, não alimente uma expectativa alta demais.

Além disso, considere contratar uma pessoa desenvolvedora mesmo que ela não apresente, de pronto, todas as características apontadas no anúncio da vaga. Afinal de contas, o (a) profissional pode estar desenvolvendo suas habilidades.

12- Falta de transparência no processo

As pessoas candidatas se engajam melhor no processo de recrutamento e seleção quando os tech recruiters são transparentes em todas as etapas. Isso quer dizer que é importante não esconder detalhes sobre a vaga, não revelar informações sobre o atual momento da empresa.

O Business Developer da Coodesh, Gabriel Ferreira, lembra que é importante a pessoa recrutadora informar se a empresa está passando por uma migração, se está criando um produto novo, se deseja contratar analistas porque a equipe tem muitos (as) profissionais Júnior, entre outras questões.

Conclusão

Enfim, uma contratação errada pode representar aumento na taxa de turnover, gastos desnecessários, onboarding mais lento e a insatisfação de modo geral. Portanto, é necessário conhecer os erros na contratação de DEVs que são mais comuns e trabalhar para evitá-los.

Nesse sentido, a Coodesh é o menor caminho entre o anúncio da vaga e a contratação. Somos uma startup especializada no recrutamento de pessoas desenvolvedoras, de todas as carreiras.

Aplicamos teste comportamental completo e dinâmico, em parceria com a Sólides, para conhecer as principais soft skills das pessoas candidatas. Também desenvolvemos entrevista técnica com testes práticos para verificar previamente o desempenho do (a) profissional.

Para saber mais detalhes sobre a atuação da Coodesh, forneça seus dados profissionais de contato e peça uma demonstração.

Escrito por Gizele Silva

Formada em Jornalismo pela UEPG e especialista em Mídia e Política. Experiência de 18 anos em jornalismo diário. Desde 2017, atua com Marketing de Conteúdo. Atualmente, sou produtora de conteúdo da Coodesh.

hard e soft skills de full-stack

Full-stack developer: quais as hard e soft skills a serem desenvolvidas?

Wuzu

Wuzu: conheça a fintech que está revolucionando o mercado de capitais