Mulheres na Tecnologia: como me tornei UX?

como me tornei UX

“Como me tornei UX” foi o tema do último talk da série “Mulheres na Tecnologia”. Durante cinco semanas, falamos sobre a presença da mulher no mercado tech em referência ao Dia Internacional da Mulher, que foi comemorado em 8 de março. Neste encontro, eu, Lorena Resende, analista de mídias sociais da Coodesh, bati um papo muito interessante com a UX Researcher do banco Inter, Beatriz Pawlow

Para quem está interessado(a) em ingressar neste mercado, fique sabendo que ele é muito amplo e tem alta empregabilidade. Por isso, a nossa convidada (que já é nível Pleno) deu algumas dicas especiais para desenvolver suas hard e soft skills. 

Então, acompanhe agora uma síntese da live sobre “como me tornei UX” na fala da Beatriz Pawlow. 

Todos os caminhos do UX 

UX é User Experience ou Experiência do Usuário. O trabalho do UX Designer foca na experiência do usuário em diversos tipos de produtos, desde um aplicativo a um automóvel. 

Portanto, entre os elementos que estão no escopo do trabalho de um UX em um produto digital, por exemplo, estão o tempo de carregamento de um site, a otimização, e a adaptação a diferentes dispositivos e plataformas. 

A Beatriz Pawlow se formou em Design de Produto na UEMG (Universidade Estadual de Minas Gerais) em 2017. Embora na época o curso não abordasse produtos digitais, a nossa convidada correu atrás e aprendeu mais sobre o UX no universo digital. “Como sempre tive interesse na parte de contato com o usuário, exploração e curiosidade no processo de investigação de design, me envolvi durante todo o curso em projetos de experiência, acessibilidade e usabilidade”, contou.

Seu pai, Alexandre Pawlow, que é Product Manager na Zup Innovation, fazia faculdade na mesma época que ela e também trocou figurinhas sobre esse universo, servindo como mentor à filha. 

Embora as convidadas que passaram pela série “Mulheres na Tecnologia” tenham vindo de Humanas, em sua maioria, Beatriz Pawlow veio da tecnologia, mas percorreu vários caminhos do UX. 

“Comecei como UX Designer, depois fui para o UX com foco em acessibilidade, trabalhei também como Product Designer, que é área que desenha, prototipa e testa, e agora estou como UX Researcher. 

Primeiras experiências e desafios 

Por ter perfil Júnior, Beatriz Pawlow procurou empresas que já tinham uma equipe consolidada de designers UX para aprender mais e crescer profissionalmente. 

Ela nos contou que a sua primeira experiência foi na Take Blip (soluções em chatbots), que hoje é candidata à lista de startups “unicórnio” do país. Ela entrou no nível Júnior e conta que lá desenvolveu muitas soft skills, como comunicação interpessoal, capacidade de negociação, priorização de tarefas e escuta ativa para aprender e entender os fluxos de trabalho. 

LEIA TAMBÉM

Papel de um designer UX/UI: confira a rotina deste profissional

Como mulher, ela diz que também enfrentou desafios, pois as equipes eram formadas majoritariamente por homens. Ela chegava a se questionar se daria conta das tarefas, ainda mais por se tratar do primeiro emprego. 

Nesse sentido, é importante que as empresas reconheçam esse esforço e também deem autonomia para os profissionais que estão iniciando, pois a autonomia gera mais criatividade e todos ganham. 

Dicas para quem está começando 

Hoje Beatriz Pawlow é nível Pleno e continua progredindo na carreira de UX. Portanto, para quem está começando, ela deixou cinco dicas top durante o talk: 

  1. Tentar vagas Júnior que exigem experiência: muitas empresas fazem exigências que extrapolam o nível Júnior, mas mesmo assim é importante se candidatar, nem que seja para aprender com o processo; 
  2. Não se preocupar tanto com o que colocar no portfólio: é mais importante o storytelling, o jeito como você conta e organiza a apresentação da sua experiência; 
  3. Conversar com outras pessoas mais experientes da área, mandando uma pergunta via LinkedIn, sem receio de ficar sem resposta; 
  4. Sempre se manter atualizado(a), fazendo os cursos que envolvem as inúmeras abordagens de UX; 
  5. Fazer networking em comunidades fortes de design, principalmente em eventos. 

Onde estudar? 

Além disso, Beatriz Pawlow conta que realizou três cursos que agregaram muito valor ao seu conhecimento. São eles: 

Além desses, há outros cursos interessantes, como: 

  • Cursos da Escola de UX & Design da Alura: múltiplas abordagens, que vão do UI, Design System, UX Writing, UX Research, Manipulação Fotográfica, Filmagem, Modelagem 3D, Escultura Digital, Engine, Tratamento de Imagem, Arte Vetorial, UX e muito mais.
  • UX/UI Design da EBAC: o curso é voltado para quem deseja se especializar em design de interface e experiência de usuário. 
  • UX Design e Strategy da FIAP: o MBA prepara o UX para os desafios do mercado, proporcionando uma visão mais analítica. 
  • Udemy: clicando no link você encontra diversas opções em UX com a explicação de conceitos e exercícios práticos. 
  • Coursera: entre os cursos desta área na Coursera temos “UX/UI: fundamentos para o design de interface”, (oferecido em parceria com a USP). 

Conclusão 

Espero que você tenha curtido nosso bate-papo com a Beatriz Pawlow sobre a presença da mulher na tecnologia e o tema “Como me tornei UX”. E fique à vontade para rever e comentar nossas lives da série clicando aqui

Acompanhe nosso LinkedIn para saber sobre os próximos eventos e aprimorar cada vez mais suas habilidades.

Escrito por Lorena Resende

Tenho 22 anos e sou Cientista Social pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Possuo conhecimento na área de Comunicação Social, com enfoque em criação de conteúdo digital, arte digital e análise de mídias sociais. Atualmente, sou Analista de Mídias Sociais na Coodesh.

preencher seu currículo

Veja novidades na hora de preencher seu currículo na Coodesh

escolas de clojure

Onde estudar Clojure: saiba como começar